Música

Concerto p/ Cravos e Orquestra - opus 40

Sinfonietta de Lisboa

Vasco Pearce de AzevedoMaestro

SolistaAbel Pereira

SolistaPaulo Guerreiro

SolistaRicardo Silva

SolistaLuis Vieira

Programa

Polonaise em Lá Maior op. 40, nº 1 "Militar" (1838) Frédéric Chopin (1810-1849)

[Orquestração: Alexander Glazunov (1865-1936)]


Sinfonia nº 3 em Mib Maior op. 55 "Heróica" (1803-04) Ludwig van Beethoven (1770-1827)

1. Allegro con brio


Konzertstück para 4 Trompas e Orquestra em Fá Maior Op.86 (1849) Robert Schumann (1810-1856)

1. Lebhaft

2. Romanze. Ziemlich langsam, doch nicht schleppend

3. Sehr lebhaft

Trompas:

1º - Abel Pereira

2º - Paulo Guerreiro

3º - Ricardo Silva

4º - Luis Vieira


Sinfonia nº 40 em Sol Menor KV 550 (1788) Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)

1. Molto allegro

2. Andante

3. Menuetto: Allegretto – Trio

4. Allegro Assai


Orquestra Sinfonietta de Lisboa

Direcção: Vasco Pearce de Azevedo


Integrado nas comemorações dos 40 anos da Revolução de Abril, o Concerto para Cravos e Orquestra – Opus 40, que sexta-feira, 5 de Setembro, sobe ao principal palco da Festa do Avante!, é composto por quatro obras, todas elas marcantes na história da música clássica.

Dá início ao espectáculo a «Polonaise, op. 40, n.º 1, “militar”, em Lá Maior», de Frédéric François Chopin, que conforme explica João Maria de Freitas Branco no suplemento que deu a conhecer o programa do Palco 25 de Abril para o primeiro dia da Festa (editado como suplemento pelo Avante! em Abril deste ano), é uma forma musical de «imediata e profunda conotação patriótica, pelo que não será de estranhar a escolha desta obra para iniciar um concerto evocativo de um dos actos mais patrióticos da nossa história: a Revolução dos Cravos».

A “militar” é, simultaneamente, uma homenagem aos capitães e soldados que assumiram a dianteira no derrube da ditadura, secundados imediatamente pelas massas populares que apoiaram o levantamento militar e foram determinantes na rendição do regime.

Segue-se a «Sinfonia n.3, op. 55 – 1.º Andamento», de Ludwig van Beethoven, assinalada pela «generalidade dos historiadores e musicólogos» como representando «um ponto de partida; ou seja, o mesmo será dizer que protagoniza uma profunda ruptura com o passado», afirma igualmente JMFB. Como o foi, em 1974, a Revolução de Abril.

Beethoven chamou à terceira das suas nove sinfonias de “Heróica”. Heróica é justamente considerada a longa luta do povo português na resistência ao fascismo e na construção do Portugal de Abril. Fica, assim, justificada a escolha quando assinalamos quatro décadas sobre o mais luminoso acontecimento da nossa história.

A terceira peça orquestral do programa é o «Concerto para 4 Trompas e Orquestra em Fá Maior, Op.86», de Robert Alexander Schumann, composição feita propositadamente para afirmar um instrumento e, simultaneamente, pôr «em evidência a evolução técnica geradora de novas capacidades de execução», ainda no dizer de Freitas Branco.

Encerra o concerto a «Sinfonia n. 40, em Sol menor, K. 550», de Wolfgang Amadeus Mozart, que no programa vai ser escutada na íntegra adquirindo o direito de ocupar lugar de honra perante a multidão que, certamente, não vai perder um espectáculo notável, não apenas porque continua a ser ao ar livre – o que por si só significa uma audácia rara senão única em Portugal –, mas porque comemora de forma singular os 40 anos da Revolução dos Cravos. Como só na Festa de Abril seria possível.

Mais em Palco 25 de Abril

Música

Mind da Gap

7, Domingo, 15:00

Música

Paulo de Carvalho

7, Domingo, 17:00

Música

A Naifa

6, Sábado, 22:00

Música

OqueStrada

6, Sábado, 21:00

Comício

7, Domingo, 18:00

Música

Booster

6, Sábado, 14:00

Mais Música

Seara de Vento

Espaço Alentejo

5, Sexta-Feira, 23:00

Grupo Coral Lírio Roxo

Palco Setúbal

5, Sexta-Feira, 20:00

Tuna Económicas - ISEG

Palco Multiusos

5, Sexta-Feira, 21:30

Luís Almeida e Ção Pitada

Palco OR Braga

6, Sábado, 22:30

Fast Eddie Nelson

Palco Solidariedade

5, Sexta-Feira, 23:00