Teatro

As Canções de Brecht na Clandestinidade

As Canções de Brecht na Clandestinidade

JennyCristina Miranda

PianoRafael Azevedo

Este monólogo musical, tem na sua essência, o objectivo de criticar a sociedade que tolera a existência de um mundo marginalizado, contraventor e corrupto, tendo como foco principal, a problemática da prostituição, a exploração da mulher.

Jenny, uma prostituta, inicia o espectáculo, assumindo o papel de “voz de Brecht” ao denunciar a “carne que é exposta nas ruas”.

Dá-se um recuo no tempo e Jenny recorda os seus tempos de prostituta “lá no bordel, o nosso bom abrigo”, a sua paixão destrutiva pelo seu “protector” Mackie Messer, a sua libertação e conclui o espectáculo, tal como o inicia, em modo de “voz de Brecht” com “A balada de Mackie Messer” e “Alabama Song”.

"Quero fazer um teatro com funções sociais bem definidas. O palco deve reflectir a vida real. O público deve ser confrontado com o que se passa lá fora para reflectir como administrar melhor sua vida" – Berthold Brecht

Mais em Café-Concerto de Lisboa

Teatro

"Uma nova maneira de contar Abril"

7, Domingo, 14:00

Música

Marfa e companheiros

5, Sexta-Feira, 00:00

Música

Rita & O Revólver

6, Sábado, 23:00

Momento de Solidariedade

Solidariedade com o Povo da Palestina

6, Sábado, 14:30

Mais Teatro

Circumambulação

Exterior

5, Sexta-Feira, 23:00

Cavalo Manco Não Trota

Palco

6, Sábado, 22:00

"Uma nova maneira de contar Abril"

Café-Concerto de Lisboa

7, Domingo, 14:00

Circumambulação

Exterior

5, Sexta-Feira, 23:30

Circumambulação

Exterior

6, Sábado, 23:00

Circumambulação

Exterior

5, Sexta-Feira, 23:30

Festa do Avante!

Quinta da Atalaia, Av Baía do Seixal

2845-415 Amora-Seixal

E-mail: geral@festadoavante.pcp.pt

Tel: 212224000 | Fax: 212272516